Listas...

Todos têm alguma relação com listas. Seja lista de itens para o casamento, chás em geral, lista de material escolar, lista de afazeres, lista de compras, lista de ficantes, lista de viagens, lista de planos. Listas, listas. E isso pode virar obsessão. Ou uma forma muito interessante de ganhar dinheiro em cima de quem adquiriu obsessão.

Eu tenho reparado que há uma tendência forte de livros de listas. Agora são os livros que sugerem coisas para fazermos antes de morrer. Como assim? Quem são eles para criar livros com esse tema? Eles são imortais tentando tirar sarro ou já morreram como Elektra? Acredito que as respostas sejam não e não. Mas comprova a teoria de que há um nicho para quem quer ganhar dinheiro em cima de quem tem obsessão.

Mas, e a obsessão? Quem adquire obsessão por listas já é “louco”, e fica ainda mais louco quando percebe que não tem dinheiro para arcar todos os planos listados, como também não terá tempo hábil para exercer todas as dicas. Porque, assim como o Bruno já mencionou aqui no Lado B, se você tem 30 anos não poderá ler todos os citados de uma lista de, sei lá, 500 livros. A menos que leia até dormindo (não vale áudio).

2 livros/semana = 8/mês
12 meses = 96
Supondo que leia 2 livros por semana, você conseguiria atingir a meta de 500 livros em 6 anos.


Indignada, fui atrás de algo oposto, e achei. Richard Wilson fez uma lista de livros que NÃO devemos ler antes de morrer.

10. Ulysses – James Joyce
Eu não conheço ninguém que tenha lido na íntegra.

9. Lord of the Rings – J R R Tolkien
Senhor dos Anéis.
Ok. Eu li a trilogia bem antes de começar o filme. Li porque adoro Led Zeppelin, e eles só falavam coisas da obra de Tolkien. Segundo Wilson, na escola ele sabia com quem iria se dar mal: quem andasse com esse livro pra cima e pra baixo.

8. For Whom the Bell Tolls – Ernest Hemingway
Por quem os sinos dobram, de 1940.
“Frases simples com pouca descrição. Evita advérbios e adjetivos. Depois você percebe que é chato e mais você sabe sobre Hemingway mas você percebe que ele é também é chato: um terrible macho com obsessão por lutas, armas (...) você não vai querer perder seu tempo com isso”. Dica dada.

7. À la Recherche du Temps Perdu – Marcel Proust
Em Busca do Tempo Perdido, de 1913.
Como diz Wilson, “se eu quero lembrar minha infância, eu vejo fotografias”. Por isso, Bruno passa a tirar fotos da minha existência para quando eu quiser relembrar algo.

6. The Dice Man – Luke Reinhart
Não me recordo a tradução do título. Acho que isso já justifica.

5. Fear and Loathing in Las Vegas – Hunter S Thompson
Pensei que eu estava tendo uma conexão forte com Richard, que teriamos coisas para conversar. Fazendo planos. Mas me enganei. Eu discordo desse 5º. Ele, de certa maneira, fala mal do estilo Gonzo de Thompson. Pra mim, Hunter é mestre. Pode ter fumado, bebido, e escrito assim e sobre isso, mas não me importa.

4. The Beauty Myth – Naomi Wolff
O Mito da Beleza
Tái um livro de uma pessoa inteligente. Digo inteligente porque ela sabe que dar dicas, ainda mais de beleza, é sinal de dinheiro, muito dinheiro, no bolso. Ela fala de coisas óbvias como “para perder peso, malhe e coma direito”. Dãh, jura? Gaste uns R$6,00 numa revista qualquer feminina que dá na mesma. Só que, ao contrário do livro, há outras matérias, é mais em conta e há muitas imagens.

3. War and Peace – Leo Tolstoy
Guerra e Paz
Minha mãe tinha. Eu tentei ler. Não consegui. Minha mãe leu, mas nunca me recomendou. Como diz o autor da lista “Way, way too long”. Acho que ela quis me poupar de sofrimentos que levariam a ter anos de terapia.

2. The Iliad – Homer
“Alguém dizer que você é, de alguma forma, culturalmente incompleto sem a sabedoria de Homer é ridículo”. É assim que Richard começa falando de um dos clássicos presente em toda lista de vestibular, de inteligência, de qualquer coisa dita “culta”. Eu não li, prefiro o dos Simpsons.

1. Pride and Prejudice – Jane Austen
Orgulho e Preconceito
Virou filme e tudo. E isso não significa nada.



Richard é audacioso. Fez um livro chamado Can’t Be Arsed: 101 Things Not to Do Before You Die, Richard Wilson (Portico Books, £9.99). Lista de tudo que você não deve fazer. Tão bom sentir menos pressão. Ainda não tem no Brasil (até onde eu sei).



Eu ainda cito alguns:

- O mundo de Sofia. Um dos livros mais pop e comentados. Se você não lesse, ficaria como na época do Harry Potter. Mas você se importa em não estar lendo o que todos lêem? Espero que não. Livro gigante, chato, pretensioso, com péssima capa.

- A hora da estrela. Livro basicamente escolar. De colegial. De vestibular. Apenas. Sempre fugi desse livro. Li por obrigação, e continuo não recomendando. Pode ser da Clarice Lispector, super-mega elogiada, aclamada, mas é um porre a narrativa. Você fica desejando a morte da personagem o tempo todo. E acontece.

- Livros do Paulo Coelho. Se você se respeita, e respeita sua inteligência, NÃO leia Paulo Coelho. Não, eu não falo isso somente porque ele se tornou best-seller e membro da academia de Letras. Digo por que ele é um cara que pede esmola com chapéu dos outros. Fuce com carinho livros bem antigos, típicos dos anos 70, e você vai achar as idéias super criativas de Paulo. Ele é apenas uma cópia popularesca de bons livros.

E você, qual livro acrescentaria na lista de LIVROS PARA NÃO LER ANTES DE MORRER ?

6 comentários:

Postar um comentário

 

Autores

Minha foto

Corinthiano Apostólico Romano, trabalhador do petróleo brasileiro, empreendedor da Santa Querupita Clothing Co., fotógrafo, corredor, mountain biker, Lu Patinadora e apaixonado pela Ilanna.

Apoio